25 de jun de 2009

Sobre ser mulherzinha.

Custa passar um batom nessa boca e um rímel nesses olhos? Custa quanto? Custa comprar aí uma meia dúzia de botinhas da moda e aposentar esses dois pares de tênis que você usa há dois anos? Custa, queridinha? Oh, amiga, você tem que se produzir mais, ousar mais, passa um batom vermelho e vai ver se você não vai se sentir ainda mais segura! Você se raspa com gilete? Custa ir numa depilação e fazer um "corte" mai sexy? Custa quanto? Você tem que ser mais mulherzinha, filha, assim não dá.

Bolsinha Louis Vitton, batom Mac, sobrancelha desenhada com cera especial para sobrancelha num cabeleireiro caro pra porra. Carro cheiroso, celular com brilhantinhos e o caralho. Bota combinando com o cinto da mesma coleção da bolsa que faz um paralelo com a altura dela. Brincos de argola, corrente cumprida em prata, anel chique. Que mulherzinha elegante!

E eu aqui de jeans, tênis, camiseta Hering e só ouvindo as besteiras que meus pobres ouvidos são obrigados a suportar sobre como ser mulherzinha. E enquanto penso que todo mundo acha que tenho que ser mais mulherzinha, troco a fralda de uma e balanço com os pés o carrinho do outro que chora. E desligo rápido a água do café que deixei fervendo e esqueci. E atendo o meu pai que me xinga porque não ligo prá ele há exatas 3 horas e 18 minutos. Eu preciso encontrar paciência prá ser mais mulherzinha.

E a mulherzinha sai a noite, despida num decote incrível que mostra o peitinho de silicone enquanto o meu ,tá aqui, caído de amamentar dentro de uma camiseta esgarçada de ficar em casa. E a mulherzinha entra na pista de dança louca e sexy com os braços prá cima enquanto segura um copo de uísque 12 anos. E dança louca enquanto eu suspiro pelo Raj da chata da Glória Perez. E enquanto ela toma todas eu amarro o cabelo num coque desajeitado para pegar um carrinho embaixo da cama. E enquanto ela está lá, eu estou aqui. E ela mira um homem lindo e sexy e com cara de bem sucedido logo ali, no outro bar. E vai lá enquanto eu coloco o jantar do maridão na mesa. E ela chega perto, roça o braço no dele por que afinal, não há espaço para todos numa boate tão da moda! E ela se insinua com o olhar 43 que aprendeu nas comédias românticas que assistiu enquanto eu lavo a louça do jantar. E ela caça aquela presa como se tivesse um pau enorme no meio das pernas e estivesse com os hormônios em desgraçado atraso. E precisasse comer aquele homem naquela hora. E quase bate uma punheta por causa da sua mais recente conquista enquanto eu.. Agora eu estou rindo com as histórias do maridão.

E a mulherzinha volta prá casa com o som altíssimo, rindo à toa. Enquanto eu já estou de camisola furadinha no sovaco, falando pro maridão que é melhor ele deitar porque amanhã o dia começa cedo. E enquanto ela abre a porta do super apartamento decorado por arquitetos da moda e que tem tudo a ver com sua coleção de Louis Vitton, eu me ajeito no ombro do maridão. E enquanto ela tira a maquiagem e se sente só porque chegou em casa só, eu fecho meus olhos, suspiro alto, escuto ele dizer que sou a mulher mais linda desse mundo e durmo super mulherzinha. E a mulherzinha.. a coitadinha da mulherzinha... !!!

2 Comentários:

Anônimo disse...

Olá sobrinha.Fui uma das poucas,muito poucas a receber seu e-mail e cá estou eu a comentar o texto que eu muito me engano ou é todo seu.É lindo,comvente e tem tudo a ver.Ser mulherzinha é muito mais que carregar uma Louis Vuitton.Este texto é a sua cara,e eu incentivo qualquer meio que vc. busque para expressar seu talento em escrever.pelo menos uma leitora vc. tem garantida.ME.Anônima pois não gosto de exposição.Sabe quem,né?

25 de junho de 2009 15:01
Rose disse...

Adorei...como sempre adoro tudo o que você escreve !!! As palavras fluem com uma intensidade quase palpável.
Devia começar a pensar seriamente em escrever um livro. Parabéns....tia Rose

25 de junho de 2009 15:57